ocultacao_cadaver.jpg
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
1/1

Ocultação de Cadáver, 2020

Bandeira do Brasil e fragmentadora de folhas,

30 x 31 x 100 cm (aproximadamente)

Vista da exposição SP-Arte 2021 + Ateliê 397, 15 artistas, São Paulo, SP, Brasil. Paralelamente junto à exibição on-line no Viewing Room da feira. (Imagens 4 e 5)

O trabalho “Ocultação de Cadáver”, resgata um “procedimento alegórico”, ao se apropriar de mercadorias do universo opressor que ronda pelo Brasil. Trata-se de uma bandeira do Brasil passada até a metade em uma fragmentadora, que a tritura até o término da palavra “progresso”, aludindo a ocultação de provas materiais e ingerência sobre a PF. E uma denúncia a associação do uso da bandeira do Brasil aos atos e condutas antidemocráticas, considerados crimes contra a constituição, que se espalharam pelo país contrariando, inclusive a recomendações do Ministério da Saúde sobre a permanência em isolamento social para evitar contaminação do Covid-19 durante a pandemia.